Textos


Coração

Segue o compasso da vida
Carrega o fardo dos sonhos
Dentro de si governa a ferida
Sequidão e instantes fadonhos.

Anatomia que gira a emoção
Palpita as portas escancaradas
Guardadas dentro de uma nação
De células cardíacas inveteradas.

Apelidadas de consciência
Seres culpados por desamores
E seres às tuas essências
E tem preso em ti amores.

Coração bate lento, acelerado
Mas bate nem que seja desamado
Que faz tum e tá, tum e tá
Mas bate, não vai pro lado de lá...

Nessa vida quem tem ele grande
És sujeito de grande sorte
Pois em teu sangue
Não carrega sangue, mas o norte.

E pra viver, e ser bem são
Tem que ter coração
De toda forma e satisfação
Porque serás rico sem ostentação.









 
Eduardo de Melo
Enviado por Eduardo de Melo em 20/10/2018
Alterado em 20/10/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr